19 de agosto de 2012

Atitudes que drenam energias


PQAAABFbRXb17YwlObt2IBn8BBKKBox05o4WeCB2nWWc9Zsninroe_4vdQo95x4TjS9mr9-dOHwNkND0uKA4QqbLkvEAm1T1UNgn995UaBMFPxHXcA1uudYcgYhU


1. Pensamentos obsessivos -

Pensar gasta energia, e todos nós sabemos disso. Ficar remoendo um problema cansa mais do que um dia inteiro de trabalho físico. Quem não tem domínio sobre seus pensamentos - mal comum ao homem ocidental, torna-se escravo da mente e acaba gastando a energia que poderia ser convertida em atitudes concretas, além de alimentar ainda mais os conflitos. Não basta estar atento ao volume de pensamentos, é preciso prestar atenção à qualidade deles. Pensamentos positivos, éticos e elevados podem recarregar as energias, enquanto o pessimismo consome energia e atrai mais negatividade para nossas vidas.

2. Sentimentos tóxicos -


Choques emocionais e raiva intensa também esgotam as energias, assim como ressentimentos e mágoas nutridos durante anos seguidos. Não é à toa que muitas pessoas ficam estagnadas e não são prósperas. Isso acontece quando a energia que alimenta o prazer, o sucesso e a felicidade é gasta na manutenção de sentimentos negativos. Medo e culpa também gastam energia, e a ansiedade descompassa a vida. Por outro lado, os sentimentos positivos, como a amizade, o amor, a confiança, o desprendimento, a solidariedade, a auto-estima, a alegria e o bom-humor recarregam as energia e dão força para empreender nossos projetos e superar os obstáculos.


3. Maus hábitos, falta de cuidado com o corpo -

Descanso, boa alimentação, hábitos saudáveis, exercícios físicos e o lazer são sempre colocados em segundo plano. A rotina corrida e a competitividade fazem com que haja negligência em relação a aspectos básicos para a manutenção da saúde energética.


4. Fugir do presente -

As energias são colocadas onde a atenção é focada. O homem tem a tendência de achar que no passado as coisas eram mais fáceis: “bons tempos aqueles!”, costumam dizer. Tanto os saudosistas, que se apegam às lembranças do passado, quanto aqueles que não conseguem esquecer os traumas, colocam suas energias no passado. Por outro lado, os sonhadores ou as pessoas que vivem esperando pelo futuro, depositando nele sua felicidade e realização, deixam pouca ou nenhuma energia no presente. E é apenas no presente que podemos construir nossas vidas.


5. Falta de perdão -

Perdoar significa soltar ressentimentos, mágoas e culpas. Libertar o que aconteceu e olhar para frente. Quanto mais perdoamos, menos bagagem interior carregamos, gastando menos energia ao alimentar as feridas do passado. Mais do que uma regra religiosa, o perdão é uma atitude inteligente daquele que busca viver bem e quer seus caminhos livres, abertos para a felicidade. Quem não sabe perdoar os outros e si mesmo, fica ”energeticamente obeso”, carregando fardos passados.


6. Mentira pessoal -

Todos mentem ao longo da vida, mas para sustentar as mentiras muita energia é gasta. Somos educados para desempenhar papéis e não para sermos nós mesmos: a mocinha boazinha, o machão, a vítima, a mãe extremosa, o corajoso, o pai enérgico, o mártir e o intelectual. Quando somos nós mesmos, a vida flui e tudo acontece com pouquíssimo esforço.


7. Viver a vida do outro -

Ninguém vive só e, por meio dos relacionamentos interpessoais, evoluímos e nos realizamos, mas é preciso ter noção de limites e saber amadurecer também nossa individualidade. Esse equilíbrio nos resguarda energeticamente e nos recarrega. Quem cuida da vida do outro, sofrendo seus problemas e interferindo mais do que é recomendável, acaba não tendo energia para construir sua própria vida. O único prêmio, nesse caso, é a frustração.

8. Bagunça e projetos inacabados -


A bagunça afeta muito as pessoas, causando confusão mental e emocional. Um truque legal quando a vida anda confusa é arrumar a casa, os armários, gavetas, a bolsa e os documentos, além de fazer uma faxina no que está sujo. À medida em que ordenamos e limpamos os objetos, também colocamos em ordem nossa mente e coração. Pode não resolver o problema, mas dá alívio. Não terminar as tarefas é outro “escape” de energia. Todas as vezes que você vê, por exemplo, aquele trabalho que não concluiu, ele lhe “diz” inconscientemente: “você não me terminou! Você não me terminou!” Isso gasta uma energia tremenda. Ou você a termina ou livre-se dela e assuma que não vai concluir o trabalho. O importante é tomar uma atitude. O desenvolvimento do auto-conhecimento, da disciplina e da terminação farão com que você não invista em projetos que não serão concluídos e que apenas consumirão seu tempo e energia.

9. Afastamento da natureza -


A natureza, nossa maior fonte de alimento energético, também nos limpa das energias estáticas e desarmoniosas. O homem moderno, que habita e trabalha em locais muitas vezes doentios e desequilibrados, vê-se privado dessa fonte maravilhosa de energia. A competitividade, o individualismo e o estresse das grandes cidades agravam esse quadro e favorecem o vampirismo energético, onde todos sugam e são sugados em suas energias vitais.http://peroquelashay.blogspot.com/2007/11/atitudes-que-drenam-energia.html





8 de março de 2012

Massagem Terapêutica

Efeito de Massagem se compara ao de analgésico 





De acordo com especialista, massagem terapêutica atua no organismo com ação analgésica anti-inflamatória capaz de produzir alívio imediato a dores nos nervos, dez minutos de massagem, já reduzem os sinais de inflamação nas células

Desde a antiguidade já se sabia dos efeitos analgésicos da massagem. Afinal, gregos e chineses antigos praticavam massagem em seus atletas depois de exercícios.

 Contudo, só agora uma equipe de cientistas, no Canadá, demonstrou o mecanismo bioquímico pelo qual a massagem faz efeito terapêutico. O estudo publicado na edição da revista médica americana Science Translational Medicine usou um grupo de 11 voluntários que realizou exercícios físicos recebeu massagem feita por profissionais e, depois, foi submetido a biópsias nos músculos afetados. De acordo com o resultado da pesquisa, a massagem reduziu sinais de inflamação e células musculares massageadas eram mais capazes de formar novas mitocôndrias. Dez minutos de massagem reduziram os sinais de inflamação nas células. E, algo que vai merecer mais estudo, o resultado foi parecido ao produzido por analgésicos. Segundo os autores da pesquisa, é importante dar validade científica a tratamentos baseados no toque, que são cada vez mais procurados em substituição ou de forma complementar ao atendimento médico convencional. Além disso, livra os pacientes de efeitos colaterais dos analgésicos e anti-inflamatórios. De acordo com o massoterapeuta e quiropraxista, Rodrigo Muzulão Nora, a massagem terapêutica envolve a manipulação das estruturas dos tecidos moles e a quiropraxia faz os ajustes nas articulações. “A massagem suaviza e acalma, ajuda na redução do estresse e pode ajudar na taxa de recuperação do corpo contra contusões, torções e doenças”, informa. Segundo o profissional, a massagem terapêutica atua no organismo com ação analgésica anti-inflamatória capaz de produzir alívio imediato a resposta de dores nos nervos musculares. “Muitas vezes as pessoas me procuram para trabalhar problemas do nervo ciático, torcicolo dores musculares e também vértebras rodadas”, comenta.

De acordo com o massoterapeuta Rodrigo Muzulão Nora, quando há casos de inflamação nos nervos é um sinal de que o sistema imunológico está em funcionamento. Segundo ele, o nervo é recoberto com uma capa amarela de proteção. Quando essa capa fica vermelha é a resposta da dor iminente. A massagem terapêutica irá desmanchar a inflamação que recobre o nervo protegido, fazendo com que o próprio organismo possa enviar a corrente sanguínea e a corrente linfática detritos de inflamação menores que a existente coberta pelo nervo. “Em resposta ao tratamento com massagem, o paciente deve se hidratar com bastante água. Dessa forma, os rins filtrarão melhor fazendo com que o próprio organismo desenvolva a autocura, desmanchado a inflamação. Segundo Nora, o processo de tratamento é rápido. São necessárias cinco sessões, sendo três vezes por semana com um dia de intervalo entre as sessões. “Em uma semana o paciente já pode voltar as suas atividades normais fazendo uma consulta quinzenal e outra mensal para manutenção do tratamento”, diz. Nora ressalta ainda, a importância do conhecimento teórico e prático para o profissional que trabalha com a atividade. “O grande problema é o não saber e o não conhecer o corpo humano como se deve”, reforça. Ele ainda acrescenta que para se ter um consultório, o profissional tem de apresentar um certificado reconhecido nacionalmente. “Se tratando de dor, o recomendado é procurar um profissional especializado, reconhecido na comunidade com resultados comprovados.”

CUIDADOS
O massoterapeuta acrescenta que existem cuidados básicos para quem está em fase de tratamento. Tratando-se da coluna, não é indicado fazer força, nem praticar exercícios que irão prejudicar o tratamento e seu andamento. “É preciso tomar muita água, de um litro e meio a dois por dia e de preferência continuar se movimentando para ajudar no processo terapêutico”, diz. Deitar em sofás mal posicionado ou sentar em cadeiras de forma inadequada pode agravar o problema. “O paciente poderá continuar suas atividades normais do cotidiano, cuidando com seu bem-estar físico e emocional, porque os nervos transmitem energia e são sensíveis”, destaca.

RELAXANTE 
Outra modalidade de tratamento com massagem é a relaxante. De acordo com a enfermeira, esteticista e massoterapeuta Francine Tauchert, a massagem relaxante tem poucas contraindicações. “Pacientes com problemas de pele, ou quem tem câncer não devem fazer”, indica. Os benefícios da massagem relaxante são alívio imediato das tensões musculares e melhoria da flexibilidade e elasticidade da musculatura. “Além dos benefícios físicos, existem também os psicológicos como a redução da ansiedade, irritabilidade, combate ao estresse e melhora da autoestima”, finaliza.



Fonte:
http://webmail.educacaofisica.com.br/index.php/voce-ef/98-saude-bem-estar/21125-efeito-de-massagem-se-compara-ao-de-analgesico

29 de fevereiro de 2012

Aromaterapia

Tea Tree




por Kathi Keville - traduzido por HowStuffWorks Brasil
http://saude.hsw.uol.com.br/



Aromaterapia
Em sua primeira viagem à Austrália, o capitão Cook fez um chá de sabor forte com folhas de tea tree, e mais tarde as utilizou para fazer cerveja. Posteriormente, essas mesmas folhas, e depois seu óleo essencial, seriam utilizadas para purificar água. 

Soldados e marinheiros australianos usavam o óleo essencial como um agente curativo para múltiplos fins, durante a Segunda Guerra Mundial. Hoje, o tea tree é usado em aromaterapia e em outros preparados.
Mas foi apenas recentemente que as empresas fabricantes de óleo essencial começaram a alardear as propriedades curativas do produto. Artigos em jornais médicos destacam sua capacidade de curar infecções bucais e seu uso primário é em produtos para infecções de gengiva e feridas ulceradas, sabonetes germicidas e desodorantes.
Existem diversas variações de tea tree, entre as quais a mais áspera cajeput (M. cajuputii) e a niaouli (M. viridiflora) preferidas para tratar infecções virais como a herpes.

 Também existe um óleo de tea tree conhecido simplesmente como MQV (M. quinquenervia viridiflora). Ainda que seja mais caro, alguns aromaterapeutas preferem sua fragrância mais suave e doce.

Principais componentes do tea tree: 

terpineol (de 30 a 40%), cineol, pinene, cimene e outros

O aroma do tea tree

adstringente, acre, com toques de cânfora e um cheiro medicinal, o aroma se assemelha ao do eucalipto. O óleo de má qualidade tem cheiro de borracha queimada.

Propriedades terapêuticas do tea tree:

antiinflamatório, antiviral, antibacteriano, antifungos; destrói infecções parasitárias, encoraja a cura de ferimentos, limpa o congestionamento dos pulmões e vias respiratórias, estimula o sistema imunológico.

Usos do tea tree:

conhecido como "armarinho de remédios em uma garrafa", o tea tree é efetivo contra bactérias, fungos e vírus, e estimula o sistema imunológico.
 Use-o em compressas, pomadas, óleo de massagem e banhos para combater toda espécie de infecção, como herpes, herpes-zóster, catapora, candidíase, mal de casco, resfriados e problemas no aparelho urinário.
 Estudos demonstram que a presença de sangue e pus das infecções só reforça os poderes anti-sépticos do tea tree.
Ele cura feridas, protege a pele contra queimaduras de radioterapia para câncer e encoraja a regeneração de tecido cicatrizado. O tea tree também trata assaduras, acne, feridas e picadas de inseto.

 Acrescente apenas uma gota aos banhos de lavagem de fraldas e louças, para eliminar bactérias. É um dos óleos anti-sépticos com menos capacidade irritante, mas isso varia de acordo com a espécie. Por isso, algumas pessoas o consideram ligeiramente irritante.

SOBRE A AUTORA: Kathi Keville é diretora da Associação Herbal Americana e editora do boletim American Herb Association Quarterly. Escritora, fotógrafa, consultora e professora especializada em aromaterapia e ervas há mais de 25 anos, ela é autora de diversos livros, entre os quais Aromatherapy: The Complete Guide to the Healing Art e Pocket Guide to Aromatherapy, e publicou mais de 150 artigos em revistas como New Age Journal, The Herb Companion, e New Herbal Remedies.


De: 


Estudou Doutorado em Fisiologia Humana e Animal na instituição de ensino

Inhame



O INHAME LIMPA O SANGUE

É um dos alimentos medicinais mais eficientes que se conhece: faz muitas impurezas do sangue saírem através da pele, dos rins, dos intestinos. No começo do século já se usava elixir de inhame para tratar sífilis. Acredita-se que foi uma das primeiras plantas cultivadas no planeta.


FORTALECE O SISTEMA IMUNOLÓGICO
Os médicos orientais recomendam comer inhame para fortificar os gânglios linfáticos, que são os postos avançados de defesa do sistema imunológico. Curioso que a forma do inhame seja tão semelhante à dos gânglios. Ele é riquíssimo em zinco, que aumenta nossas defesas.


EVITA MALÁRIA, DENGUE, FEBRE AMARELA
A presença do inhame no sangue permite uma reação imediata à invasão do mosquito, neutralizando o agente causador da doença antes que ele se espalhe pelo corpo. Aldeias inteiras morreram de malária depois que as roças de inhame foram substituídas por outros plantios.


É MAIS PODEROSO QUE A BATATA
E tem a vantagem de ser nativo, enquanto a semente da batata é importada. Inhame dá com fartura em qualquer lugar úmido. Em vez de apodrecer na cesta, como a batata, ele brota e produz mais inhames. Nas mulheres aumenta a fertilidade porque contém fitoestrógenos, hormônios vegetais, importantes na menopausa e após.


MEDICINAL É O PEQUENO, CABELUDO
Marronzinho por fora, com a pele variando de roxo a branco. Existem ainda o inhame-do-norte e o cará, maiores e mais lisos, que são muito bons para comer mas não têm o mesmo poder curativo do inhaminho (também chamado de inhame chinês ou cará chinês).


A FOLHA PARECE COM A TAIOBA
É da mesma família; ao contrário do que se pensa, a folha do inhame também serve para comer, cozida ou refogada. Às vezes pinica muito, como a taioba, que às vezes não pinica.


SE PINICAR É PORQUE TEM MUITO ÁCIDO OXÁLICO
que se apresenta em forma de cristaizinhos finos como agulhas e, nesse caso, não deve ser comido cru. Como há muita variação nos cultivares de inhame, o conteúdo de ácido oxálico (que pode dar pedra nos rins e dificultar a absorção de cálcio e ferro) também varia. O inhame branco japonês parece ser o mais apurado de todos, com teor baixíssimo do ácido.


EMPLASTRO DE INHAME PUXA TUDO:
furúnculos, quistos sebáceos, unhas encravadas, verrugas, espinhas insistentes, farpas ou cacos de vidro que entram nas mãos ou nos pés. Desinflama cicatrizes, elimina o sangue pisado de contusões, abcessos e tumores. Pode ser usado imediatamente após fraturas ou queimaduras para evitar inchaço e dor, e também em processos inflamatórios de hemorróidas, apendicites, artrites, reumatismos, sinusites, pleurisias, nevralgias, neurites, eczemas. Em caso de tumor no seio ou em outros lugares junto à pele é ótimo usar o emplastro de inhame durante uma semana antes de operar, pois ele vai aumentar esse tumor atraindo toda substância semelhante que houver no interior do corpo e evitar outros tumores. Serve ainda para baixar febres.


A DENOMINAÇÃO CORRETA PARA ESTE INHAME É TARO
Em latim nosso herói se chama Colocasia esculenta (sinônimo Colocasia antiqua), da família Araceae, enquanto o inhame-do-norte e o cará são da família Dioscoreaceae. Como na maior parte dos lugares a denominação inhame se refere à turma da Dioscorea, e o nome predominante da Colocasia pelo mundo afora é taro, no I Simpósio Nacional sobre as Culturas do Inhame e do Cará foram propostas e aprovadas as denominações de Inhame para Dioscorea e Taro para Colocasia, uniformizando os termos brasileiros com a denominação internacional, de acordo com os relatos dos pesquisadores Santos, E.S., Cereda, M.P., Pedralli G. e Puiatti, M. (Denominações populares das espécies de Dioscorea e Colocasia no Brasil. Tecnol. & Ciên. Agropec., João Pessoa, v.1, n.1, p.37-41, set. 2007).


OS MUITOS NOMES DA COLOCASIA
inhame em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Portugal
inhame branco, taro, taioba em Portugal (a folha da taioba é semelhante à do taro)
taiá no sul do Brasil
cará e cará chinês em outras regiões brasileiras
taro, cocoyam e dasheen em inglês
dasheen no Caribe
tar, kokosyams em dinamarquês
cocoyam em Gana, Nigéria e Camarões de língua inglesa
qolqas em árabe
taro em russo, alemão, holandês, francês e na Polinésia
aronille em francês
arvi, kachalu, ghuiya em hindu
chamagadda em Angla Pardesh, Índia
colocasia, malanga, yame de canárias, alcocaz e otoe em espanhol
colocasia, taro di egito em italiano
kolokassi em cipriota
kalo no Havaí
yu em mandarim
sato-imo em japonês
toran na Coréia do Sul
khoai mon ou khoai so no Vietnam
dalo nas ilhas Fiji
nduma em kikuyu
amadumbe em zulu
macabo entre os que falam francês em Camarões
yautía em Porto Rico
keladi em malaio
gabi em tagalogue, nas Filipinas

E tem mais: inhame, digo, taro, não é tubérculo nem rizoma. Pasme: é cormo. Com M.

COMA E AME!



CRU

Salada de inhame
Rale e tempere com sal marinho e limão ou com molho de soja. É muito forte. Um leproso que se escondeu no mato e só tinha inhame cru para comer ficou inteiramente curado depois de alguns meses.

Vitamina com inhame
Ponha no liquidificador um inhame, uma cenoura, alguns ramos de salsa (ou outra folhinha verde, como coentro ou hortelã) e o suco de duas laranjas, com mais água se desejar. Tudo cru. Dá para dois copos.

O inhame às vezes pinica tanto nas mãos quanto na boca.

 Isso indica que aquele inhame específico é rico demais em cristais de ácido oxálico e, nesse caso, é bom cozinhá-lo para neutralizar o ácido. Como há muita variação nos cultivares de inhame, o conteúdo de ácido oxálico (que pode dar pedra nos rins e dificultar a absorção de cálcio e ferro) também varia. O inhame branco japonês parece ser o mais apurado de todos, com teor baixíssimo do ácido.

DE CUSCUZEIRA

Cozido no vapor
Ponha alguns inhames com casca e tudo na parte superior da cuscuzeira, ou numa peneira sobre uma panela com água fervendo, e tampe. Depois de meia hora espete com o garfo para ver se estão macios. Nessa altura a casca solta com muita facilidade, basta puxar que sai inteirinha. É aí que o inhame tem o sabor mais simples e gostoso.

Purê de inhame
Depois de cozinhar os inhames no vapor ou na água, solte a casca e amasse com um garfo; junte um pouquinho de manteiga e de sal marinho, ou molho de soja, e misture bem. Só precisa ir ao fogo de novo se for para esquentar.

Pastinhas de inhame
São ótimas para passar no pão e substituem muito bem as pastas de queijo nas festas. A base é um purê de inhames cozidos e amassados, ao qual se acrescentam azeite ou manteiga, folhas verdes picadinhas (salsinha, manjericão, coentro, cebolinha) ou orégano; uma beterraba cozida e batida no liquidificador com inhame e um tantinho de água vai produzir uma pasta rosada; inhame batido com azeite, alho, água e sal faz uma delícia de molho tipo maionese. Use a criatividade e ofereça aos amigos uma coisa nova de cada vez!



DE FRIGIDEIRA

Inhame sauté
Depois de cozidos e descascados, corte os inhames em rodelas ou pedaços; esquente manteiga ou azeite numa frigideira; ponha os inhames, e sobre eles bastante folhas verdes picadinhas (salsa ou cebolinha ou manjericão ou coentro ou orégano ou...); umas pitadinhas de sal marinho; mexa rapidamente, baixe o fogo e deixe grudar um pouquinho no fundo para ficar crocante.

Inhame frito
É muito mais gostoso do que batata. Faça exatamente como faz com ela: corte em rodelas finas ou palitos, frite em óleo bem quente e deixe escorrer sobre um papel que absorva a gordura.

Pizza de frigideira
Rale inhames crus, misture com farinha de arroz ou de milho, tempere a gosto; achate a massa numa frigideira antiaderente e deixe assar dez minutos de um lado, dez do outro. Com alguma prática dá para fazer isso numa chapa bem quente, levemente untada. O ponto da massa não deve ser nem seco nem aguado.



DE PANELA

Inhoque de inhameFaça exatamente como faz inhoque de batata: cozinhe os inhames, descasque, amasse com farinha de trigo e uma pitada de sal marinho até a massa ficar com a consistência do lóbulo da orelha. Enrole em cordões, corte, ponha para cozinhar de pouco em pouco numa panela com água fervendo. Quando os inhoques subirem é que estarão cozidos. Se puder, substitua parte da farinha de trigo comum por outra que seja integral. E o molho? Ao gosto do freguês...

Engrossando o caldo
Cozinhe um ou dois inhames junto com o feijão, que eles desmancham e o caldo fica bem grosso.



DE FORNO

Bolinhos de inhame

Cozinhe, descasque e amasse ligeiramente os inhames com um pouco de cebola ralada, cebolinha verde picadinha ou alho-porró em fatias fininhas, umas pitadas de cominho e outras de sal; junte farinha de trigo para dar liga, pincele com gema de ovo e asse no forno até a superfície secar. Ou frite.

Forminhas de inhame
Descasque e rale os inhames crus na parte mais fina do ralador, para obter uma papa líquida. Junte fubá de milho ou farinha de arroz integral (que se faz tostando o arroz e batendo aos pouquinhos no liquidificador) até conseguir uma consistência boa, mas ainda úmida. Tempere a seu gosto: com sementes de cominho ou de erva-doce, umas pitadinhas de sal, talvez um queijo ralado ou uma azeitona. Unte forminhas, encha com a massa e ponha em forno bem quente durante cinqüenta minutos.

Pizza de sardinha
Cozinhe, descasque e amasse os inhames; unte um tabuleiro, achate com as mãos bocados do inhame amassado e vá cobrindo com eles o fundo e os lados do tabuleiro. Asse quinze minutos em forno alto. Numa panela, refogue bastante cebola e ponha por cima sardinhas frescas pequenas, abertas, sem espinha, temperadas com alho socado, sal e limão. Deixe cozinhar com tampa por quinze minutos. Tire a massa do forno, despeje o recheio, enfeite com rodelas de tomate ou de pimentão, pique bastante cheiro-verde e espalhe por cima. Leve novamente ao forno por mais dez minutos. Como variação desta receita, você pode não assar a massa antes de colocar o recheio; pode também reservar parte da massa para tampar a pizza, que aí vira um pastelão.

Bolo salgado de inhame
Deixe de molho duas xícaras de triguilho durante duas ou três horas e esprema; junte a duas xícaras de inhame cozido e duas de farinha de arroz. À parte, refogue alguns legumes com um pouco de tempero, mas não deixe cozinhar. Tire do fogo e misture à massa. Ponha numa fôrma untada, espalhe queijo ralado por cima e leve ao forno alto por quinze minutos; aí ponha a chama em ponto médio e deixe mais quinze minutos. Cheirou, está pronto. Acrescente ovos cozidos se quiser um prato mais forte.

Torta de inhame em camadas
Cozinhe, descasque e amasse os inhames; cozinhe e amasse a terça parte de abóbora; refogue uma verdura picadinha tipo espinafre, acelga, agrião, chicória, folhas de nabo ou de cenoura, etc. Unte um pirex com manteiga, ponha uma camada de inhame e sobre ela uma de abóbora; outra de inhame e sobre ela a verdura refogada; mais uma de inhame. Pincele ou não com ovo, enfeite com rodelas de cebola, leve ao forno para secar durante 20 minutos.



SOPAS

Sopa de inhame com misso

O misso, que é desintoxicante, é um alimento tradicional japonês muito usado como tempero, feito de soja fermentada com cereais e sal. Vem em forma de pasta. É muito rico em enzimas, proteínas e vitamina B12, devido ao seu processo de fermentação. Limpa o pulmão dos fumantes, restaura a flora intestinal, e acima de tudo dá um gosto todo especial à sopa. Portanto cozinhe os inhames descascados com o mesmo tanto de água, uma ou duas folhinhas de louro e alguns dentes de alho inteiros; depois bata no liquidificador para obter um creme fino. Acrescente o misso, na base de uma colher de chá cheia por pessoa, ou dissolva com um pouco d’água numa tigelinha e deixe que cada um se sirva como quiser. (Algumas pessoas vão preferir sal.) Cebolinha verde picada, por cima, combina muito.

Creme de inhame com agrião
Faça como na receita anterior; depois de bater no liquidificador devolva ao fogo, ponha sal se for o caso, espere ferver e junte um bom punhado de agrião cru, lavado e cortado. Deixe cozinhar um minuto, apague o fogo e sirva. Com misso, se não tiver posto sal.



INHAME DOCE

Torta de inhame com abacaxi

Cozinhe os inhames, descasque, amasse e forre com essa massa uma assadeira untada; espalhe por cima uma compota de abacaxi feita com sementinhas de erva-doce e cravo-da-índia, quase sem água, pois o abacaxi solta caldo. Leve ao forno quente durante meia hora. Substitua por outra compota, se desejar.

Bolo doce de inhame
Misture duas xícaras de inhame cozido com duas de aveia em flocos e duas de farinha de arroz integral (toste o arroz, bata no liquidificador em pequenas porções); meio litro de suco de laranja (ou outro líquido doce, como chá de estévia, ou leite de coco adoçado com melado); uma colher de sopa de manteiga, se quiser; umas pitadas de noz-moscada e canela em pó; frutas secas e castanhas picadas, ou banana madura em rodelas. A consistência da massa deve ser pastosa, nem aguada nem dura. Unte uma fôrma e leve ao forno quente durante meia hora, mais ou menos, mantendo a chama alta durante quinze minutos e baixando então para um ponto médio. Você sabe que o bolo está no ponto quando cheira. A partir daí ele vai secando, e quanto mais tempo ficar no calor, mais firme será sua consistência. Se quiser um bolo mais fofo, junte uma colherinha de café de bicarbonato de sódio dissolvida em suco de laranja no final do preparo da massa. Esse bolo dá um ótimo panetone quando leva frutas cristalizadas e é assado em fôrma alta.

Biscoitos de inhame
A massa é a mesma do bolo. Unte um tabuleiro e despeje com a colher pequenas porções. Asse em forno alto até chegar ao ponto desejado. Como todo biscoito que leva aveia, este também só endurece depois que esfria.

Mousse de inhame com ameixa
Ponha no liquidificador uma parte de inhames cozidos com uma parte de ameixas-pretas, sem caroço, cozidas com canela; aproveite a calda para bater a massa. Repita a receita usando maçãs ou bananas em compota em vez de ameixas. Para fazer a compota, não é necessário adoçar, pois essas frutas já têm bastante açúcar natural. Basta que estejam bem maduras. Leva-se ao fogo baixo, em panela tampada, com uma pitadinha de sal e só um dedinho de água. Quanto mais cozinharem, mais doces ficam.



EMPLASTRO
Descasque e rale na parte mais fina do ralador uma quantidade de inhame suficiente para cobrir a área afetada. Rale também gengibre com casca, dez por cento do volume do inhame. Misture tudo com qualquer farinha, só para dar liga. A pasta deve ficar bem molhada.

Aplique sobre a região, cubra com gaze ou outro paninho fino, nunca com plástico ou material sintético. Em algumas horas o emplastro seca; retire com água morna e coloque um novo.

Às vezes o inhame pinica, devido a um conteúdo muito alto de cristais de ácido oxálico em determinada safra de determinado local. Nesse caso passe azeite ou óleo na pele antes de colocar o emplastro.


FONTE

 Livros e Blog de Sonia Hirsch
http://www.soniahirsch.com/

26 de fevereiro de 2012

Bardana



Possui inúmeras propriedades nutricionais, além de ser muito agradável ao paladar.
Na culinária natural, utilizamos a raiz da bardana para incrementar tortas, sopas e até mesmo para fazer saladas.
Esta raiz, que poucas pessoas conhecem, traz benefícios à saúde e é considerada uma planta medicinal.
Toda a planta da bardana pode ser utilizada para fins medicinais.
Os gregos já a utilizavam para tratar de inúmeras doenças. As folhas possuem poderes bactericidas e são bastante requisitadas para tratamento de doenças de pele - fama conseguida em um episódio no qual as folhas da bardana salvaram o rei Henrique III, da França, de uma doença cutânea.
Tudo indica que sua origem é a Europa, mas o país que a cultivou com maior intensidade para consumo foi o Japão, por isso a fama de que a bardana é uma planta de origem japonesa.
Até hoje a culinária que mais utiliza e difunde o consumo da planta é a japonesa, na qual podemos encontrar pratos típicos tendo o vegetal como base.
A raiz da bardana também possui muitas propriedades importantes para a saúde, como o combate de cálculos renais, reumatismo e problemas de vesícula.
Não se pode esquecer que a maioria de suas propriedades estão concentradas na casca e por isso é de extrema importância não retirá-la.
Quando cozida, a bardana apresenta um aspecto escurecido, o que é normal pelo fato de possuir ácido tânico, uma substância sem sabor e inofensiva ao organismo. De acordo com nutricionistas, a raiz da bardana apresenta qualidades como o fornecimento de proteínas, glicídios, fibras, cálcio, fósforo, ferro, vitamina A, vitamina B1, riboflavina e niacina, além de ser uma rica fonte de sais minerais.
Além das ações terapêuticas citadas, a bardana possui outras propriedades como purificar o sangue, curar picadas de insetos, torções, hemorróidas, enfermidades crônicas da pele, acnes, eczemas, pruridos, seborréia da face, herpes, vesícula inflamada, cálculo biliar, hepatite viral, cirrose e por isso tem sido largamente estudada e utilizada em laboratórios farmacêuticos.
Até mesmo a queda de cabelo pode ser tratada com bardana, neste caso é utilizado o óleo extraído da planta.
Com tantas propriedades e qualidades assim, esta planta deve ser mais difundida na culinária, pois é excelente para aqueles que estão à procura de uma alimentação mais saudável.
A bardana agrada bastante ao paladar e tem ganho cada vez mais adeptos nos restaurantes em que é oferecida.
Esta planta (geralmente a raiz, que é utilizada na culinária) pode ser encontrada em lojas de produtos japoneses e em supermercados mais sofisticados.


Tente fazer em casa, misture-a com arroz, faça refogada, certamente seu organismo só terá a ganhar. 
Segue abaixo uma receita de como preparar a bardana.

Bardana refogada no molho de soja:
Ingredientes: 
2 Raízes de bardana 
1 cebola pequena bem picadinha 
1 dente de alho amassado 
1 copo de molho de soja (shoyu) 
Lavar bem as raízes para retirar toda a terra, já que a casca será ingerida; 
Picar a bardana em tiras finas ou pequenos cubinhos; 
Colocar a cebola picada bem pequena, o alho e o azeite na panela até dourar; 
Adicionar a bardana picada e o molho de soja; 
Deixar a bardana cozinhar no shoyu até secar; 
Retirar da panela e servir. 

Pode ser servida pura, adicionada ao arroz, ao macarrão, sopas e saladas. 

Fontes:


25 de fevereiro de 2012

Dietética Chinesa


 A cozinha chinesa e a Medicina Chinesa sempre estiveram muito relacionadas através dos tempos.

Cor, aroma e sabor não são os únicos princípios a serem seguidos na cozinha chinesa, os chineses têm uma crença tradicional no valor medicinal dos alimentos e que os alimentos e os remédios têm a mesma origem.

O intelectual Yi Yin da dinastia Shang (sec. XVI ao XI aC.) elaborou uma teoria a que chamou da “harmonia dos alimentos” em que ele relacionou os cinco sabores: doce, azedo, amargo, picante e salgado ás necessidades nutricionais dos cinco principais sistemas de órgãos do corpo (coração, fígado, Baço/Pâncreas, Pulmões e Rins) e enfatiza o seu papel na manutenção da boa saúde. Na realidade, muitas plantas utilizadas na cozinha chinesa tais como alho-pôrro, gengibre fresco, alho, botões secos de margaridas, cogumelos, têm propriedades de prevenção e alívio de várias doenças.

Os alimentos, na concepção da MTC, constituem um dos factores mais importantes na conservação e na manutenção da saúde, a filosofia chinesa, baseada nas leis do Universo, da Natureza, das concepções da vida e da morte, da física, das ciências puras e biológicas, levam-nos até um conhecimento maior.

A partir da teoria da dualidade dinâmica do Yin e do Yang, do principio dos cinco movimentos, a Medicina Tradicional Chinesa reflete a integração do ser humano no meio ambiente e desta integração são os alimentos, tanto celestes (ar-oxigénio) quanto terrestres (alimento), que sofrem intensas alterações sazonais, topográficas, geográficas e climáticas. Estas duas formas de energia, a celeste e a terrestre, inerentes ao alimento quando ingerido, vão fazer parte do nosso corpo nutrindo, fortalecendo, reparando, harmonizando as nossas funções energéticas e fisiológicas, ou mesmo podendo trazer alterações do funcionamento dos tecidos.

A Medicina Tradicional Chinesa concede uma importância relevante ao alimento na constituição da forma física e do psíquico, a parte Yin á qual a energia Yang vai fixar-se, para promover toda a nossa dinâmica da mente e do corpo.

Adequar a alimentação e saber dos seus efeitos sobre o nosso corpo, é saber a maneira de se intervir nos casos do vazio ou plenitude dos órgãos e das vísceras, através desse conhecimento a MTC elaborou todo um procedimento para repor os gastos energéticos e da matéria, proporcionar a vitalidade e a longevidade celular, evitar os processos degenerativos, o envelhecimento precoce e principalmente o aparecimento de doenças graves.

Segundo a MTC alimentar-se bem não significa, necessariamente, comer do melhor, do mais caro, do importado, mas sim alimentar-se com os produtos que contenham a energia necessária para o corpo em determinado momento, energia essa que pode estar na vagem do feijão verde, no fígado da vaca, na casca de um fruto, etc.

De acordo com os dietistas chineses, a boa saúde depende da ingestão do Qi em grãos que nutre o Qi do estômago. Comer e beber indiscriminadamente danificam o baço e o estômago e altera o metabolismo predispondo a pessoa á doença. Por exemplo: o consumo de alimentos gordurosos causa humidade-calor, lesão gástrica, azia e acúmulo de flegma no peito, que por sua vez causa outras doenças tais como carbúnculo e abcessos.

Um excesso de alimento picante estimula o acúmulo de calor no trato gastrointestinal, causando perturbações estomacais e hemorróidas. O alimento excessivamente azedo danifica o órgão que lhe é correspondente mas também o baço, assim como o alimento excessivamente amargo, o fígado, e os alimentos excessivamente salgados o coração.

O consumo excessivo de bebidas alcoólicas danifica o Qi e o sangue, causa alcoolismo, gangrena e doenças mental.

Segundo a dietética chinesa, os alimentos também possuem diferentes acções de acordo com os seus sabores. Por exemplo: os alimentos de natureza fresca ou fria incluem peras, laranjas, melancia, melão amargo, beringela, lentilhas verdes, coalho de feijão e bambu.

Os alimentos de natureza húmida são repolho, alho-porro, abóbora, gengibre fresco, vinagre e pimentão. Os alimentos suavemente mornos são a carne de frango e bovino, enquanto os alimentos quentes incluem vinho, carne de carneiro e de cão. Incluídos nos alimentos doces estão o milho, batatas-doces, ervilhas, jujuba (tâmara chinesa), longana, trapa e feijão-verde. Os alimentos picantes são aipo, cebola e alho. As azeitonas são consideradas como azedas e as algas marinhas, salgadas. Sendo assim, para manter a saúde de uma pessoa, devem-se escolher os alimentos apropriados baseado na condição física individual.

A Medicina Chinesa ao ter entendido a interacção dos alimentos com o corpo e as influências que as energias celeste e terrestre exercem sobre ele, elaborou os procedimentos para as pessoas usufruírem da melhor maneira o que a natureza oferece sem prejuízos para estas, e de maneira a que a natureza possa servir ao ser humano eternamente.

Fonte: http://www.medicinachinesapt.com/dietetica_chinesa.html


Qi Gong


QUAIS SÃO OS BENEFÍCIOS DO QIGONG (CHI KUNG)?



Inúmeras pesquisas indicam que o Qigong é amplamente benéfico para o corpo e sua prática é capaz de alterar as funções fisiológicas, melhorando a saúde, prevenindo doenças e mantendo o bem-estar.
Isso acontece por que ele é capaz de tonificar os músculos, ossos e órgãos, corrigindo a postura e o equilíbrio, o que o torna uma excelente opção de atividade para os idosos. Ele também auxilia na flexibilidade e no desenvolvimento da coordenação, fazendo com que seus praticantes possam executar as atividades diárias com mais energia e disposição.
As pesquisas também indicam que o Qigong é capaz de melhorar o equilíbrio da pressão arterial, aumentar a capacidade respiratória, a imunidade e o desempenho das funções digestivas, fazendo com que seus praticantes possam absorver melhor os nutrientes provenientes da alimentação.
E não é só isso: a prática regular do Qigong promove o relaxamento corporal, o equilíbrio do sono e a diminuição da frequência cardíaca, sendo um importante aliado para lidar com o estresse e a tensão do dia a dia.
Na esfera emocional, o Qigong é capaz de purificar emoções negativas como a ansiedade, a raiva ou o medo, promovendo a paz e a felicidade interior. Isso acontece porque a prática do Qigong atua no Sistema Nervoso Central através da liberação de “neurotransmissores da alegria” como a serotonina.
Além disso, os exercícios são capazes de diminuir a liberação de “neurotransmissores de tensão” como é o caso da adrenalina, fazendo com que o praticante sinta-se bem, diminuindo a instabilidade emocional e aumentando a capacidade de lidar com os problemas do dia a dia de forma madura e saudável.


Fonte:
http://www.acupunturista.net/content/exercise/355/quais-sao-os-beneficios-do-qigong-chi-kung/

Excesso de carboidratos potencializa a depressão



Excesso de carboidratos potencializa depressão












Superar a depressão não depende da boa vontade de quem dela sofre. 
Nesses casos, dizem os especialistas, é a própria vontade que precisa ser tratada. O tratamento clássico envolve antidepressivos e psicoterapia, mas estar atento ao que se come pode ser uma medida válida.
Alimentar-se incorretamente pode provocar a modificação da bioquímica cerebral e potencializar os altos e baixos emocionais.


Toda dieta prevê certa porção de carboidratos porque eles são indispensáveis à produção de energia e serotonina, substância associada ao bem-estar. Contudo, a relação entre depressão e excesso de carboidratos foi identificada não só nos adultos, mas também entre os adolescentes: eles não se refugiam nos lanches, doces e salgadinhos porque são ansiosos e deprimidos, mas o inverso.


Essa é a opinião de Attilio Speciani, imunologista italiano, autor do livro "Prevenire e Curare la Depressione con il Cibo" ("Prevenir e Tratar a Depressão com os Alimentos", ainda sem tradução no Brasil). Ele explica que, ao consumirmos muito carboidrato, sofremos uma elevação abrupta dos níveis de glicemia (glicose no sangue). Para reequilibrar o organismo, nosso sistema coloca em ação a insulina, que tem como objetivo fazer a glicose circular. O excesso de açúcar é reconhecido como tóxico e, num mecanismo de sobrevivência, o cérebro comanda que este excesso de glicose seja transformado em gordura. "Quanto menos insulina produzimos, menos gordura acumulamos e, assim, há menor interferência sobre o equilíbrio do sistema nervoso", diz.


Speciani comenta que, por causa dos hábitos alimentares modernos, a insulina tem sido considerada um dos hormônios mais difíceis de ser sintetizados pelo organismo (o aumento dos casos de diabetes comprova isso). Mantê-la sob vigilância pode ajudar no controle de sintomas como ansiedade e depressão.
Conforme o médico italiano, o consumo exagerado de doces, massas, pães e farinhas refinadas ainda pode desencadear a chamada resistência insulínica: o organismo fica menos sensível ao hormônio e a produção tem de ser aumentada.
A repetição desse processo aumenta a necessidade de ingerir açúcar, como num ciclo vicioso. Por isso, quem come muito carboidrato está sempre faminto: "é esse processo de constante instabilidade energética que causa um efeito negativo sobre o emocional e leva à depressão", esclarece Speciani.
A produção de serotonina depende do consumo de carboidratos e, se há um aumento brusco nos índices, "outro mecanismo de defesa orgânica se manifesta: os inibidores, que se nutrem da serotonina do cérebro, provocando novo e sucessivo estado de abatimento", completa o imunologista.




Antidepressivos naturais


Para manter um perfeito funcionamento da bioquímica do humor, Speciani sugere o consumo equilibrado de carboidratos e proteínas, além da inclusão na dieta de alimentos que ele classifica como "antidepressivos naturais". É o caso das frutas oleaginosas, combinação que ele classifica como uma verdadeira injeção de ânimo: amêndoa, avelã, nozes, semente de linhaça (por causa da presença de ômega 3), semente de gergelim e cereais integrais (ricos em tirosina, estimulam a produção de dopamina, que promove o estado de alerta).
Ele sugere que o açúcar seja substituído pelo mel integral, que é rico em triptofano (aminoácido que se transforma em serotonina) e possui índice glicêmico baixo, se consumido com absoluta moderação.
Entre os alimentos a serem evitados, o médico cita as farinhas refinadas e o seitan(ou glúten), muito usado pelos vegetarianos, por ser uma proteína sem tirosina. "Para evitar problemas, o seitan deve ser consumido sempre junto com outros alimentos protéicos", aconselha.
Speciani ressalta a importância de se fazer refeições regulares, iniciando o dia com uma refeição matinal rica na combinação de alimentos integrais e de origem vegetal. Nas refeições noturnas, a recomendação é evitar carboidratos simples, de rápida absorção (como mel, açúcar, frutas, xarope de milho, leite e derivados).




Relógio biológico


Aqui no Brasil, Jane Corona, médica especialista em nutrologia, ressalta também a importância dos horários regulares para se alimentar e dormir, já que o corpo funciona como um relógio ao produzir substâncias que interferem no humor.
Segundo ela, no momento em que acordamos, nosso corpo precisa de boa dose de dopamina para nos conectar com o mundo. À noite, para descansar, precisamos da serotonina e da melatonina, oxidante natural que atinge seu pico às 2:00 horas da manhã. O desequilíbrio nos ciclos pode levar à depressão.




Carência nutricional


Alimentar-se bem, equilibradamente e com regularidade pode evitar outra consequência, a Síndrome Depressiva de Carência Nutricional: "o cérebro é um órgão que não armazena glicose e esse é o nutriente mais importante para o seu funcionamento", justifica.
Para a especialista, a dieta ideal para fugir da depressão é aquela que inclui gorduras de boa qualidade (mono e polinsaturadas), encontradas em alimentos como semente de linhaça, frutas oleaginosas, azeite de oliva e abacate. "Essas gorduras facilitam a comunicação entre os neurônios", justifica.
Outros nutrientes importantes para a produção de neurotransmissores, de acordo com ela, são as vitaminas A, B, C, D e E, os minerais cálcio, cromo e magnésio e as proteínas vegetais.
Para quem enfrenta rotinas estressantes, Corona sugere caprichar na primeira refeição pela manhã. "Quando for inevitável saltar uma refeição, é bom ter à mão algumas nozes, amêndoas, castanhas e uma fruta, para evitar o consumo de biscoitos e frituras", recomenda.
Por Cristina Almeida
Fonte : 

Como a alimentação pode interferir no bem-estar e no humor



Como a alimentação pode interferir no bem-estar e no humor
Diversos alimentos estão constantemente sendo estudados e analisados quanto aos benefícios fisiológicos e psíquicos que proporcionam. São relacionados ao bom humor, bem estar mental e ao alívio dos efeitos do cotidiano estressante. O nutriente que mais se destaca, neste caso, é o carboidrato.


O consumo moderado de alimentos fontes de carboidratos (arroz, massas, pães, doces, açúcares, etc.) estimula a entrada de maior quantidade de triptofano no cérebro, onde será transformado em serotonina, neurotransmissor conhecido como "substância química calmante". Outras fontes de triptofano são: leite e iogurte desnatados, queijos brancos e magros, nozes e leguminosas.

Outro aminoácido conhecido como tirosina está relacionado com a produção de dopamina e adrenalina, ambos são neurotransmissores que promovem o estado de alerta, disposição e alegria. São fontes de tirosina: ovos, leguminosas, nozes e castanhas, leite e iogurte desnatados, queijos magros e tofu.


Estão sendo estudados outros nutrientes como o ômega-3, encontrado na linhaça, no óleo de canola, em oleaginosas, em ovos enriquecidos e em leites fortificados. O consumo desse ácido graxo poliinsaturado parece estar relacionado com o bom humor.


O mineral selênio também pode ser um auxiliador na melhora do estado de espírito. Suas fontes são: a castanha do pará, nozes e amêndoas, semente de girassol e cereais integrais.


Os vegetais de folhas verdes e algumas leguminosas são fontes de ácido fólico, um potente antidepressivo.


No caso de um cotidiano estressante e atribulado, a pessoa não deve exceder de alimentos muito açucarados, gordurosos, fritos, bebidas alcoólicas, café e chá preto. No caso do açúcar, além de muito calórico, poderá dar efeitos como sonolência e má-digestão. A gordura em excesso, também irá dificultar a digestão. O álcool, além do mal estar que proporciona, dificulta a absorção de diversas vitaminas e minerais. E por último, o café e o chá preto contêm cafeína, um estimulante poderoso que agrava ainda mais o estresse e a ansiedade.


Pela manhã, é recomendado que o desjejum seja composto por leite ou derivados desnatados, para repor proteína e minerais como cálcio, fósforo e vitamina A. Cereais, pães ou bolachas integrais e frutas frescas fornecem energia a partir de fontes saudáveis de carboidratos a fim de manter a disposição para o dia inteiro.


Há diversas especulações de o chocolate estar relacionado com o bom humor e de evitar a depressão por conter o aminoácido triptofano. Mas ele deve ser consumido com moderação por conter uma porcentagem de açúcares simples e de gordura saturada em sua composição. O ideal é consumir até 30 gramas diárias logo após o almoço ou jantar, ou seja, uma quantidade “medicinal”.


Para um sono tranquilo,uma boa dica é um copo de leite desnatado morno com uma colher de chá de mel.


Além da alimentação, para o bom humor estar sempre evidente, é preciso praticar uma atividade física regular (de 2 a 3 vezes por semana) para garantir níveis adequados de endorfina, um neurotransmissor que melhora o estado de espírito, aumenta a disposição física e mental e diminui o estresse.


Por Simone Biacchi Prass


Fonte
http://cantinhovegetariano.blogspot.com/2010/09/como-alimentacao-pode-interferir-no-bem.html